You are visiting a website that is not intended for your region

The page or information you have requested is intended for an audience outside the United States. By continuing to browse you confirm that you are a non-US resident requesting access to this page or information.

Switch to the US site

Select Your Country or Region
Enviar
ARDS

Reconhecimento e otimização do tratamento da síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA)

A SDRA é uma síndrome que parece ser pouco reconhecida, subtratada e associada a uma alta taxa de mortalidade. A SDRA é uma doença progressiva, com uma janela de tratamento precoce que pode ser explorada. [1]

Tópicos

SDRA – o desafio clínico


A síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) é uma condição pulmonar grave que causa baixo nível de oxigênio no sangue. A incidência de SDRA varia amplamente; nos EUA, foi estimada entre 78,9 e 81,0 por 100.000 habitantes, enquanto na Europa ficou entre 7,2 e 25,5 para o mesmo número de habitantes.[2] Estima-se que o ônus global da SDRA ultrapassou 3 milhões de pacientes por ano.[3]
A mortalidade por SDRA grave foi relatada em 46,1% em um estudo observacional que incluiu 459 UTIs em 50 países.1 Nos EUA, a SDRA afeta aproximadamente 200.000 pessoas e resulta em 74.500 mortes anualmente.[4]

Onde estão as causas?


A SDRA é uma síndrome associada a muitas condições, e a maioria dos pacientes já está hospitalizada no momento do diagnóstico. De acordo com a definição de SDRA de Berlim, diferentes sinais clínicos podem ajudar a identificar o estado do paciente, de leve a grave.
Um algoritmo de tratamento de amostra para adultos com SDRA começa tipicamente com a otimização da ventilação protetora pulmonar e progride para intervenções mais invasivas com base na condição do paciente. Os planos de tratamento devem ser individualizados de acordo com a causa e as intervenções disponíveis na instalação de saúde. [5]

A pandemia de COVID-19 apresentou um surto de pacientes com síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) em unidades de terapia intensiva em todo o mundo. [6]

Artigos relacionados

  • Cuidados Intensivos

"Without access to an Edi signal you can’t give patients the best possible respiratory care."

Using the electrical activity of the diaphragm (Edi) to evaluate ICU patients’ need for respiratory support is a valuable and often superior complement to standard monitoring parameter, according to senior respiratory consultant Sten Borgström.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas
  • Cuidados Intensivos

The Value of Advanced Hemodynamic Monitoring

Beyond Basic - with - with advanced hemodynamic parameters. Learn more about blood pressure, blood flow, preload, afterload, contractility, and pulmonary edema parameters.

Ler mais

  • Cuidados Intensivos

Estratégia de ventilação com baixa sedação

A chave para ter pacientes menos sedados e ativamente participantes é poder atender suas necessidades respiratórias. Tentar manter seu esforço respiratório natural o máximo possível.

Ler mais

  • Cuidados Intensivos

Hemodynamic Management in Sepsis Patients

Everyone is at risk of developing sepsis. Globally, up to 50 million people are affected by sepsis, every year. Every 2.8 seconds, one patient dies from sepsis and associated complications. Often, it can be prevented by vaccination, clean water and hygiene, safe childbirth, and preventing hospital-acquired infections (HAIs). However, sepsis is often underdiagnosed, especially at an early stage where treatments are more successful.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas
  • Cuidados Intensivos

Entenda rapidamente os dados hemodinâmicos

As informações hemodinâmicas apresentam um conhecimento valioso para os médicos. No centro cirúrgico, pacientes submetidos a cirurgias sempre se beneficiam de vigilância atenta. A administração ideal de fluidos perioperatório é a chave para uma recuperação bem-sucedida. Na UTI, a vida do paciente criticamente enfermo depende da decisão certa para a próxima etapa terapêutica.

Ler mais

  • Cuidados Intensivos

Mechanical ventilation

Sharing our insights on how you can provide easier, better and safer mechanical ventilation – for you and your patients.

Ler mais

Todas as referências

  1. Sadowitz B, Jain S, Kollisch-Singule M, et al. Preemptive mechanical ventilation can block progressive acute lung injury. World J Crit Care Med. 2016;5(1):74-82. Published 2016 Feb 4. doi:10.5492/wjccm.v5.i1.74

  2. PubMed
    Epidemiology, Patterns of Care, and Mortality for Patients With Acute Respiratory Distress Syndrome in Intensive Care Units in 50 Countries.
    Bellani G, Laffey JG, Pham T, Fan E, Brochard L, Esteban A, Gattinoni L, van Haren F, Larsson A, McAuley DF, Ranieri M, Rubenfeld G, Thompson BT, Wrigge H, Slutsky AS, Pesenti A, LUNG SAFE Investigators, ESICM Trials Group
    JAMA. 2016 Feb;315(8):788-800.

  3. Health Topic "ARDS" on National Heart, Lung, and Blood Institute

  4. ARDS Definition Task Force, Ranieri VM, Rubenfeld GD, Thompson BT, Ferguson, et al. Acute respiratory distress syndrome: the Berlin Definition. JAMA. 2012 Jun

  5. Fan E, Brodie D, Slutsky AS. Acute Respiratory Distress Syndrome: Advances in Diagnosis and Treatment. JAMA. 2018 Feb 20;319(7):698-710.

  6. https://www.thelancet.com/journals/lanres/article/PIIS2213-2600(20)30304-0/fulltext