You are visiting a website that is not intended for your region

The page or information you have requested is intended for an audience outside the United States. By continuing to browse you confirm that you are a non-US resident requesting access to this page or information.

Switch to the US site

Select Your Country or Region
Enviar
Patient safety

Mantenha os pacientes sob observação durante a anestesia

Tópicos

Evitar a atelectasia para reduzir complicações pós-operatórias

Mantendo saudáveis os pulmões dos pacientes

Restaurar e preservar a saúde de seus pacientes são os principais objetivos da área de saúde. Isso inclui tentar evitar potenciais complicações pós-operatórias relacionadas à anestesia, como a atelectasia.

A atelectasia afeta mais de 90% [1] dos pacientes submetidos a cirurgia, independentemente de gênero, idade, condição de saúde ou duração da cirurgia, o que demonstra a importância de proteger os pulmões dos pacientes.

Leia o artigo 

Por que as manobras de recrutamento pulmonar são importantes?

O recrutamento pulmonar pode atenuar bastante a atelectasia, ajudando a previnir complicações pós-operatórias, como hipoxemia, pneumonia, resposta inflamatória local e lesão pulmonar induzida pelo ventilador.

“Hoje em dia, os dados nos dizem que devemos recrutar todos os pacientes", diz o Dr. Carlos Ferrando. Ele continua, "você deve realizar o aumento gradual na manobra de recrutamento de PEEP. É mais seguro.”

Manobras de recrutamento pulmonar durante a anestesia fazem a diferença - para você e para seus pacientes

Alguns médicos dizem que acham o recrutamento pulmonar complicado e demorado – mas não precisa ser assim.

Por que as misturas de gás hipóxico se desenvolvem?

Assista à nossa animação

Estudos mostram que sistemas comuns de proteção contra hipóxia podem falhar na manutenção da concentração de O2  inspirado (FIO2) durante a anestesia de baixo fluxo. [4] Esses sistemas de proteção tradicionais foram projetados para injetar misturas hipóxicas no fluxo de gás fresco fornecido, não no gás inspirado. 

Se o anestesiologista não agir ou se a sua máquina de anestesia não anular ativamente as configurações, há um grande risco de que o nível de FIO2  se torne menor do que a concentração fornecida de O 2 , prejudicando a segurança do paciente. O vídeo ilustra o que acontece.

Evitando misturas hipóxicas

Você sabia que máquinas de anestesia convencionais nem sempre impedem misturas de gases hipóxicos?

As proteções tradicionais contra hipóxia usam algoritmos para evitar que o FIO2 se torne perigosamente baixo (<21%) no fluxo de gás fresco.

Um estudo constatou que aproximadamente 93% de todos os pacientes caíram abaixo de um nível aceitável de FIO2  em máquinas de anestesia convencionais, mesmo com proteções contra hipóxia.[3]

Leia o artigo aqui 

Como evitar misturas hipóxicas durante anestesia de baixo fluxo

Um sistema de proteção ativa contra hipóxia intervém caso o médico não tenha tomado medidas antes do nível de O2  nos gases inspirados cair abaixo de 21%. A proteção ativa contra hipóxia, nesse caso, anulará as configurações do médico, impedindo a administração posterior de misturas hipóxicas.

Saiba mais sobre nosso sistema ativo de proteção contra hipóxia de inspiração O₂Guard 

Artigos relacionados

  • Salas Cirúrgicas

Por que usar a anestesia de baixo fluxo?

A anestesia de baixo fluxo oferece benefícios pulmonares, econômicos e ambientais.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

LMD - O futuro dos focos cirúrgicos

Desvie seu foco da luminosidade para o procedimento. Mantenha a acuidade visual ideal e evite dificuldades na adaptação a variações excessivas na luminosidade.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

A iluminação mais brilhante não é necessariamente melhor

A maioria das pessoas apresentou sintomas de fadiga visual: dor nos olhos, coceira ou secura. Às vezes, nosso corpo compensa produzindo lágrimas em excesso, causando deficiência visual.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

Posicionamento do paciente na sala de cirurgia

O posicionamento adequado do paciente é um importante pré-requisito para um procedimento cirúrgico bem-sucedido. O posicionamento ideal não apenas garante o melhor acesso possível ao local da cirurgia, como também evita consequências de longo prazo por danos aos nervos ou por lesões por pressão.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

Desempenho da ventilação

Se todas as lesões perioperatórias de órgãos fossem agrupadas, seriam a terceira maior causa de morte nos EUA. A prevenção de lesões nos órgãos, como danos aos pulmões, pode reduzir a necessidade de maiores cuidados pós-operatórios. Saiba mais sobre como a ventilação protetora pulmonar pode ajudar a reduzir complicações e custos relacionados à saúde.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

How connected medical devices raised uptime in the OR

For Royal Belfast Hospital for Sick Children in Northern Ireland, connected medical devices are an indispensable tool for improving operation planning.

Ler mais

Todas as referências

  1. Hedenstierna G, Edmark L. Mechanisms of atelectatsis in the perioperative period. Best Practice & Research Clinical Anaesthesiology 24 (2010) 157-169

  2. Tusman G, Bëhm SH, Warner DO, Sprung J. Atelectasis and perioperative pulmonary complications in high-risk patients. Curr Opin Anaesthesiol. 2012 Feb:25(1):1-10.

  3. Garcia-Fernândez J, Romero A, Blanco A, etal. Recruitment manoeuvres in anaesthesia: How many more excuses are there not to use them? Rev Esp Anestesiol Reanim. 2018 pr:65(4):209-217

  4. De Cooman S, Schollaert C, Hendrickx JF, et al. Hypoxic guard systems do not prevent rapid hypoxic inspired mixture format ion. J Clin Monit Comput 2014, 10.1007/s10877-014-9626-y.

  5. Ghijselings IE, De Cooman S, Carelle R, et al. Performance of an active inspired hypoxic guard. J Clin Monit Comput. 2016 Feb;30(1):63-8t.