You are visiting a website that is not intended for your region

The page or information you have requested is intended for an audience outside the United States. By continuing to browse you confirm that you are a non-US resident requesting access to this page or information.

Switch to the US site

Select Your Country or Region
Enviar
Getinge Hybrid OR

Roteiro para sala de cirurgia Híbrida

Tópicos

Roteiro para sala cirúrgica Híbrida

Otimização do processo de planejamento para projetar e colocar em operação a sala de cirurgia Híbrida unidisciplinar, multidisciplinar  e multimodal.

Faça o download do guia da sala de cirurgia Híbrida

Perguntas indispensáveis para um projeto bem-sucedido

Os pontos "quem, o que, onde e quando" do planejamento eficaz da sala de cirurgia Híbrida determinam o quanto sua implementação estará preparada para o futuro. E tudo começa ao fazer as perguntas certas para ajudar você a atingir suas metas de curto e longo prazo, como “qual é o impacto previsto do design da sala em futuros fluxos de trabalho e colaborações?” e “como a higiene e a esterilidade serão garantidas durante a cirurgia?”. Esses são apenas alguns exemplos de perguntas que devem ser feitas.

Definir expectativas: 15 a 30 meses de planejamento em média

A complexidade e a duração do planejamento e da implementação da sala de cirurgia híbrida requerem um fluxo de informações oportuno e livre entre as principais partes interessadas, em cada uma das três fases do seu projeto Híbrido. Talvez você não tenha levado em consideração todos os indivíduos cujas perspectivas e interesses profissionais sejam vitais para assegurar o sucesso de um projeto no longo prazo. O guia da sala de cirurgia híbrida mostra como definir cronogramas e expectativas realistas, e como descobrir quem deve estar envolvido em cada etapa do processo.

Fase 1 – Projetos bem-sucedidos começam com o planejamento

A Fase 1 do processo de planejamento de projetos de sala de cirurgia Híbrida normalmente envolve um período de análise e avaliação de três a seis meses. Durante esse período, definem-se as necessidades clínicas de várias disciplinas, avaliam-se os requisitos de Limpeza, discutem-se a usabilidade e a ergonomia, e estabelecem-se os fluxos de trabalho. As discussões têm como foco a seleção das modalidades de imagem e dos sistemas da mesa cirúrgica apropriados e que se alinham melhor a esses requisitos.

Estabelecer uma base sólida para o sucesso

A inter-relação entre os equipamentos cirúrgicos e de imagem indica que o desempenho de qualquer sala de cirurgia Híbrida será limitado pela eficácia do seu elo mais fraco. Um único erro no início do processo de planejamento pode ter consequências graves nas fases subsequentes do projeto. O planejamento eficaz deve levar em consideração a utilização prevista para a sala de cirurgia Híbrida nos próximos três a cinco anos. Além disso, criar uma sala de cirurgia Híbrida dentro da área de cobertura estrutural existente do hospital pode gerar outros desafios. 

Comece com a tecnologia de imagem

Uma das decisões mais importantes no planejamento de uma sala de cirurgia Híbrida eficaz é selecionar um ou mais sistemas de imagem que possam melhorar a quantidade e a qualidade dos dados de diagnóstico em cada etapa do procedimento baseado em imagem — planejamento, orientação e verificação final. Saiba mais sobre as vantagens diagnósticas de diferentes modalidades de imagem no guia de sala de cirurgia Híbrida.

Imagine as possibilidades em 3D

As partes interessadas geralmente têm o desafio de prever a relação da área de ocupação da sala de cirurgia Híbrida com o conjunto de equipamentos instalados. O software específico do fornecedor gera renderizações em 3D do design proposto da sala, já preenchido com a equipe e seleções de equipamentos, que mostram uma visualização precisa da sala. O software 3D também ajuda a visualizar conflitos que podem ser evitados (colisões) enquanto verifica se medidas higiênicas adequadas foram incorporadas.

Mesas cirúrgicas modulares comportam múltiplas especialidades

A utilização da sala de cirurgia híbrida continua a evoluir, especialmente à medida que a frequência e a complexidade das cirurgias minimamente invasivas cresce em uma ampla variedade de especialidades. É por isso que as mesas cirúrgicas devem incorporar duas ou mais mesas universais de fibra de carbono intercambiáveis que podem ser configuradas rapidamente para acomodar uma ampla variedade de procedimentos. No guia de sala de cirurgia Híbrida, reunimos um conjunto de requisitos importantes, incluindo a necessidade de se obter um posicionamento seguro e flexível do paciente.

Fluxos de trabalho eficientes para a segurança da equipe multidisciplinar e do paciente

Na sala de cirurgia Híbrida, o design da sala e a colocação dos equipamentos devem ser flexíveis o suficiente para acomodar um grande número de pessoas, permitindo que elas tenham uma visão livre dos monitores de imagem, sem comprometer as eficiências do fluxo de trabalho. Ao mesmo tempo, o design e a posição dos equipamentos desempenham um papel significativo para ajudar a equipe clínica a evitar a contaminação e o risco de infecções na sala de cirurgia Híbrida. Com mais pessoas e equipamentos, há mais chances de ocorrer problemas e movimentações indesejadas da equipe. 

Fase 2 – Entender os custos

A Fase 2 se concentra na ampla variedade de considerações orçamentárias que determinam os custos totais do projeto. Esses cálculos refletem os custos do equipamento, bem como o tempo adicional de planejamento inicial necessário para garantir que todos os sistemas e plataformas coexistam em harmonia para evitar correções dispendiosas. Os orçamentos também devem levar em conta todas as considerações de segurança, higiene, usabilidade e ergonomia.

Orçamento para a sala de cirurgia Híbrida

Os hospitais têm uma enormidade de dados históricos financeiros para orientar os cálculos atuais para financiar uma nova sala de cirurgia tradicional. Para um conjunto Híbrido, os administradores podem esperar gastar de 70 a 90% a mais para compor a sala com equipamentos de imagem, software de integração e monitores de alta resolução necessários para gerenciar o enorme fluxo de informações baseadas em imagens e dados do paciente.

Esses cálculos também refletem o tempo adicional de planejamento inicial necessário para orquestrar essas múltiplas interfaces. Descobriu-se que, vários hospitais alocam para vários centros de custo uma grande parte do diferencial de custo associado ao sistema de imagem, dando flexibilidade à sala de cirurgia híbrida para agendar exames radiológicos não cirúrgicos. Aprovações de orçamento para uma sala de cirurgia Híbrida são cada vez mais justificadas com base nisso, incluindo o aspecto de uso compartilhado da sala por várias disciplinas.

Fase 3 – Implementação

A Fase 3 do projeto da sala de cirurgia híbrida requer que, as partes interessadas participem das Fases 1 e 2 e continuem envolvidas. O sucesso da instalação e da colocação em operação também requerem a eliminação da incerteza entre os membros da equipe que enfrentam mudanças diárias em suas interações entre si e no novo ambiente da sala de cirurgia híbrida. Criar um regime de treinamento eficaz é um dos elementos mais importantes dessa fase final.

O planejamento cuidadoso evita surpresas de última hora

Após meses de planejamento coordenado e intenso, a data de colocação em operação da sala de cirurgia híbrida finalmente pode ser vislumbrada. Nesse ponto do processo, o sucesso da instalação depende fortemente da confirmação da configuração da sala, das especificações do equipamento e da colocação exata de toda a tecnologia da sala de cirurgia híbrida. Leia mais no guia da sala de cirurgia híbrida (manuais) para entender melhor os problemas que poderiam comprometer os prazos de conclusão do projeto, e visualizar seis considerações importantes para criar um regime de treinamento eficaz.

Oito considerações que influenciam o sucesso do projeto

Otimizar o projeto e a colocação em operação de uma sala de cirurgia híbrida unidisciplinar, multidisciplinar exige a implementação do aprendizado fundamental em todas as fases do processo de planejamento. Saiba, com base na experiência, quais são as considerações estratégicas essenciais que têm o maior impacto potencial no sucesso do projeto.

Artigos relacionados

  • Salas Cirúrgicas

LMD - O futuro dos focos cirúrgicos

Desvie seu foco da luminosidade para o procedimento. Mantenha a acuidade visual ideal e evite dificuldades na adaptação a variações excessivas na luminosidade.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

Fundamentos da iluminação cirúrgica

A iluminação cirúrgica correta é essencial para a segurança do paciente e o conforto da equipe. Ela deve ser projetada para permitir que a equipe médica se concentre exclusivamente no procedimento cirúrgico.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

Por que usar a anestesia de baixo fluxo?

A anestesia de baixo fluxo oferece benefícios pulmonares, econômicos e ambientais.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

Posicionamento do paciente na sala de cirurgia

O posicionamento adequado do paciente é um importante pré-requisito para um procedimento cirúrgico bem-sucedido. O posicionamento ideal não apenas garante o melhor acesso possível ao local da cirurgia, como também evita consequências de longo prazo por danos aos nervos ou por lesões por pressão.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

A iluminação mais brilhante não é necessariamente melhor

A maioria das pessoas apresentou sintomas de fadiga visual: dor nos olhos, coceira ou secura. Às vezes, nosso corpo compensa produzindo lágrimas em excesso, causando deficiência visual.

Ler mais

  • Salas Cirúrgicas

Interação coração e pulmões

O colapso pulmonar induzido por anestesia é uma causa bem conhecida, que pode ser evitada por uma boa estratégia ventilatória.

Ler mais